Mais de 80% dos recursos obtidos pelo governo na capitalização serão usados em custeio de gastos correntes e pagamento de salários.

Fabio Graner e Adriana Fernandes, de O Estado de S. Paulo
27 de outubro de 2010 | 22h 30

BRASÍLIA – Cerca de metade da receita extra de R$ 31,9 bilhões obtida com a manobra contábil que inclui recursos da capitalização da Petrobrás como receita serviu para cobrir o aumento das despesas de custeio da máquina pública neste ano.

Na terça-feira, o governo anunciou superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) recorde de R$ 26,06 bilhões. O governo contou como receita o pagamento, pela Petrobrás, de reservas do petróleo no pré-sal.

Embora o dinheiro que entra nos cofres da União não tenha carimbo, a arrecadação com a venda da concessão de exploração de 5 bilhões de barris da camada de pré-sal abriu espaço para o governo aumentar não só os investimentos, mas também os gastos com despesas regulares da administração, de baixo retorno de longo prazo. É como se o governo estivesse antecipando receitas da exploração de petróleo para bancar despesas do dia a dia, que não param de crescer.

Leia o resto no post original: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,manobra-com-dinheiro-da-petrobras-vai-cobrir-alta-de-gastos-do-governo,not_41127,0.htm

Anúncios