BRASÍLIA, DF, 18 de setembro (Folhapress)

O procurador-geral da república, Roberto Gurgel, disse hoje que, se o Ministério Público Federal for acionado por partidos de oposição para investigar a suposta participação do ex-presidente Lula no mensalão, vai encaminhar o pedido para a primeira instância.

Gurgel afirmou que esse é o procedimento natural, já que o ex-presidente Lula não tem mais foro privilegiado.
“[O pedido] será recebido com toda a atenção e toda a consideração devidos e será encaminhado ao órgão ministerial de primeiro grau, ao qual compete agora fazer esse exame”, disse.

Reportagem da revista “Veja” deste fim de semana atribui ao publicitário Marcos Valério, acusado de ser operador do mensalão, a revelação de que Lula era o “chefe” do esquema e teria desviado, segundo a revista, R$ 350 milhões.

Ontem, Gurgel já tinha comentado a reportagem e defendido cuidado com as declarações de Valério, a quem chamou de “jogador”.

Em nota, DEM, PSDB e PPS decidiram esperar o fim do julgamento do processo do mensalão pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para cobrar investigações da Procuradoria-Geral da República sobre Lula. Ontem, tinham informado que entrariam com o pedido.

“A oposição fará a sua parte e, encerrado o julgamento em curso no STF, cobrará a investigação dos fatos ao Ministério Público”, diz nota divulgada pelos presidentes dos três partidos, Sérgio Guerra (PSDB), José Agripino Maia (DEM) e Roberto Freire (PPS).

Eles justificaram o recuo ao afirmar que uma representação poderia paralisar ou atrasar o julgamento do mensalão –uma vez que abriria brechas para questionamentos das defesas dos réus.

“O Ministério Público não quer criar fato algum que possa ser utilizado durante o julgamento do mensalão no STF. Não quer criar impasse, não quer trazer a baila fatos que possam ser explorados juridicamente. Por isso a oposição decide que aguarda o julgamento do mensalão para que possa depois, então, protocolar a representação”, disse o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR).

Condenações
Gurgel comentou ainda o início do julgamento no STF do núcleo político da denúncia do mensalão. Para ele, as provas são “fartas” para a condenação do ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente da legenda José Genoino.

“A prova é mais do que suficiente para juízo condenatório em relação àqueles que estão na cúpula do esquema criminoso. As provas reunidas são fartas e demonstram eloquentemente esse vínculo entre a execução da corrupção passiva [parlamentares da base aliada] e os acusados da corrupção ativa [cúpula do PT e grupo de Marcos Valério].”

Anúncios